Banner Super Topo (728x90) Géssica
ENTREVIAS

Reduz a quantidade de queimadas às margens das rodovias de Marília e região entre maio e agosto

Entrevias monitora as estradas com tecnologia que ajuda a identificar focos de incêndio; maior quantidade de chuva também influenciou na queda

04/09/2020 19h24
Por: Redação
Fonte: Letter Comunicação
41
Foto: Fábio Melo
Foto: Fábio Melo

A quantidade de focos de incêndio às margens das rodovias administradas pela Entrevias na região de Marília diminuiu em 33,6% de maio a 23 de agosto deste ano, no comparativo com o mesmo período de 2019. O número de chamadas dessa natureza que chegam ao Centro de Controle Operacional (CCO) da Entrevias, setor que monitora os 570 quilômetros da malha viária concedida à empresa, caiu de 119 para 79 casos em 2020.

O período de julho a setembro é considerado crítico devido às condições climáticas da época, de estiagem prolongada e baixa umidade do ar, que favorecem a combustão e propagação das chamas na vegetação que margeia as rodovias. Contudo, neste ano, os estragos foram menores devido ao aumento de 173,12% na incidência de chuva de maio a agosto em Marília, no comparativo com a mesma época do ano passado, segundo levantamento da empresa Atmosfera Meteorologia, que presta serviço para a concessionária. Somente em agosto, choveu na cidade 101 milímetros, contra 3,7mm em agosto passado. Em Assis, segunda maior cidade do trecho Sul, a precipitação pluviométrica também foi maior nos períodos comparados, cerca de 29,36%. Em agosto foram 83,5 milímetros, contra 2,2mm em 2019.

No trecho Sul da concessão, os incêndios ocorreram com mais frequência entre os municípios de Marília e Echaporã. Geralmente, no perímetro urbano, que concentra o maior número de focos, principalmente devido ao descarte de lixo pela população lindeira e maior presença de pedestres e usuários. Desde junho, a Concessionária participa da Operação Corta Fogo, iniciativa sazonal que segue até setembro, coordenada pela Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo). O objetivo é combater incêndios e garantir a segurança viária de usuários de rodovia, já que em muitos casos a fumaça invade a pista e pode prejudicar a visibilidade.

Para auxiliar na redução e enfrentamento de queimadas na área de domínio, a Concessionária intensifica o monitoramento de pontos já conhecidos como de maior incidência através das câmeras instaladas ao longo da SP-333, de Borborema a Florínea. Com um sistema inteligente de detecção automática de incidentes, o circuito de câmeras da empresa permite o acompanhamento em tempo real das estradas, 24 horas por dia, e acusa na tela do monitor do operador situações atípicas que precisam de checagem, como início de fogo. Ao constatar o princípio de incêndio, a empresa aciona os recursos necessários neste tipo de chamada: caminhão-pipa e viatura de inspeção de tráfego para garantir a segurança na malha viária e, se necessário, interdita a rodovia.

“O fogo, além de ser um problema ambiental que atinge a flora e, em alguns casos, a fauna, também representa risco à segurança dos motoristas. Por isso, a principal orientação continua sendo evitar colocar fogo e descartar lixo e bituca de cigarro às margens da rodovia, no mato seco. E, no caso de avistar um princípio de fogo, acionar imediatamente a concessionária”, orienta o gerente de Operações da Entrevias, Jorge Baracho.

Além das providências operacionais, rotineiramente equipes do setor de Conservação roçam as áreas que margeiam as rodovias, dentro da faixa de domínio, e removem a massa verde e resíduos que poderiam favorecer a propagação do fogo. “Outro fator que ajuda a evitar incêndios é a campanha de aceiro, que fizemos dentro da faixa de domínio da concessionária durante o ano, que consiste em deixar uma camada de solo exposta - sem vegetação - nas áreas limítrofes sob concessão da Entrevias. Essa técnica dificulta a passagem do fogo entre as vegetações”, completa Bruno Marin, gerente de Conservação.

O engenheiro florestal da Estação Ecológica de Assis (IF), Antônio Carlos Galvão de Melo, explica que na maioria dos casos o fator humano e a ocupação de solo dificultam o controle das queimadas, principalmente nos meses críticos de seca, como de maio a setembro. “O fogo pode começar de muitas maneiras: com uma bituca de cigarro jogada às margens da rodovia, às vezes mesmo em uma operação agrícola com algum maquinário que emita calor, o que em condição de ar e palha secos, pode ser um gatilho. A disponibilidade de material para queimar também influencia”, diz Melo. Ainda assim, ele explica que o fator climático é determinante, já que, com ar mais úmido, a propagação e intensidade do fogo é menor.

Divulgação entrevias: incêndio de grande proporção na Rod. Anhanguera, trecho administrado.

 

A Entrevias Concessionária de Rodovias é responsável pela operação, manutenção e modernização do lote Rodovias do Centro-Oeste Paulista, com um total de 570 quilômetros de vias no eixo entre Florínea, na divisa com o Paraná, e Igarapava, na divisa com Minas Gerais. O contrato de concessão assinado com o governo do Estado de São Paulo – Artesp é a agência fiscalizadora – prevê investimentos de R$ 3,9 bilhões na restauração de rodovias, ampliação da malha viária e implantação de tecnologias e inovações que contribuem para prestação de serviços de alta qualidade aos usuários. Visite o site da empresa: www.entrevias.com.br. Em caso de emergência nas rodovias ligue para 0800-3000-333.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.